sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

A minha ex-camisola vermelha ...



Quando a fotografei, perfeitamente encantada com o achado, ainda não a tinha vestido.
Comprei "a olho"(como é o meu costumo, já que embirro com provadores ...) um M que normalmente se adapta.
Acontece  que o modelo se auto apelidava de "oversize", o que, só por si, me deveria alertar.
Mas não!
De peito feito, apropriei-me da dita.

Em casa, experimentei-a e, sabem o que é um saco onde caberia eu e mais três como eu?
Sabem?
Era isso!
Uma coisa informe, disforme, monstruosa!
Impossível!
Ainda que S ou mesmo  XS continuaria investível - se é que a palavra existe!

Tendo em conta a anatomia das modelos, presumo que com 2 metros de altura, a coisa talvez possa passar, uma vez que essas meninas funcionam como absolutos cabides, mas - como todas sabemos - essas frágeis criaturas não são mulheres reais.
Portanto devolvi e desaconselho vivamente.

(As calças, essas, assentam mesmo bem, como uma luva! - informo!)

Mas continuo a querer (muiiiiito) uma camisola vermelha!


@gitranegie:

... que pode ser como ESTA ...



Image Via: They All Hate Us:

... ou ESTA ...

#winter #outfits /  Red Knit // Grey Wool Beanie // Black Skinny Jeans // Black Ankle Boots:

... ou ainda ESTA!

Resta-me pois continuar alimentando a esperança de que a vou encontrar, ou, em desespero,  passar a vias de facto, isto é, comprar o fio e tricotá-la eu mesma.
Veremos!

Bom fim de semana.
Beijo
Nina

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

A minha nova camisola vermelha



Encontrei-a!
E já é minha!




Voltei à Zara  e lá estava ela à minha espera.
Para que  não se sentisse  deslocada, trouxe umas calças que lhe farão companhia.


Elas - as calças - são cinza, num tecido com elasticidade e com cós também parcialmente elástico.
Ainda não experimentei, mas parece-me que tanto o tamanho como o modelo estão perfeitos
- tenho muito olho clínico!
 São muitos anos nestas aventuras.

Mesmo, mesmo a combinar a minha Carolina Herrera que, muito linda e delicada,
 possui uma corrente que se em contacto direto com a pele me provoca uma alergia de quase queimadura,
 sendo, portanto, o Inverno a época ideal para a usar.
Usarei!


Beijo
Nina

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Comidinha


... comidinha caseira, comidinha boa. Porque- diga-se o que se disser ...- não há nada que chegue aos petiscos feitos em casa, onde se sabe o que se come, onde se sabe como foram preparados - sem recurso a pozinhos de perlimpimpim que dão sabor à custa de não se sabe o quê.

Claro que gosto de comer fora, até porque é em mim frequente um agudo ataque de preguiça, mas, ainda assim, sei de todas as virtudes da comida caseira , a verdadeira slow food.

Vem esta conversa a propósito do almoço de hoje.
Tinha pouco ou nenhum tempo, porque sairia cedo e chegaria tarde - em cima da hora da refeição.

Descongelada, havia uma embalagem de pernas de frango -coxa e sobrecoxa, se é que me faço entender.
Resolvi cozinhá-las no forno, mas não assadas, receando que secassem.

Fiz o seguinte:
-Numa panela - Le Creuset, é claro ... - montei uma cama de cebola, uma farta e densa cama, pois sou fã da dita cebola.
Nela dispus as pernocas do frango que temperei com sal, pimenta, caril, louro e vinho tinto. Reguei com azeite. Tapei. Deixei no forno por 2H 30M.
Quando entrei em casa cheirava bem, cheirava muito bem.
O franguinho que assara / estufara em calor brando apoderara-se de todos os temperos e resultara suculento.

Faltava o acompanhamento - que fosse rápido e saudável.

Cozi batatas, couve-flor e abóbora.
Depois de cozido, reduzi a puré, acrescentando 1 c. de manteiga e 1/2 copo de leite quente.
Temperei com sal, pimenta e noz moscada,

Excelente!
Vejam:




Os legumes já cozidos ...

Os legumes reduzidos a puré recebendo os temperos ...

O franguinho já pronto, ainda borbulhando no forno.

Estava delicioso e - o que é verdadeiramente fantástico - sobrou para o almoço de amanhã!
Melhor é impossível!

Beijo
Nina

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Para estes dias muito frios ...


... tenho optado por calças bem justas (vulgo, leggings ) que uso por dentro das botas e por camisolas/ blusas de lã, soltas e compridas - como todas sabemos, uma das exigências incontornáveis  deste tipo de calças

Quanto às cores, vario pouco e fico-me pelo preto, pelo cinza, pelo branco ou bege e pelo castanho.

Noentanto, no site da Zara online vi uma destas camisolas (extra large) em vermelho e achei-lhe graça.
Hoje passei pela loja que continua numa assustadora confusão de saldos.
Lá ao fundo, num cantinho, dei com as novidades.
Procurei a camisola/ blusa vermelha, mas não a encontrei.
Em contra partida achei esta, em marfim, fofa e macia.
Escolhi um M, que só experimentei em casa.


Está perfeita ...

... leve e confortável ...

... com este detalhe na manga - um laçarote inesperado.

É claro que vou ficar com ela!



Aproveito para mostrar o lenço enorme, com padrão "selva", que eu própria confeccionei a partir de um retalho,
como em tempos referi.
É apenas um pormenor, mas alegra qualquer conjunto.


Um último apontamento da camisola / blusa de amplas mangas e laçarote no braço.

Acho-lhe graça!
Mais ... gosto verdadeiramente dela!

Amanhã procuro a vermelha que não sou pessoa dada a este tipo de esquecimento!

Beijo
Nina

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Compras


Porque nem só de panelas se fazem as compras, trouxe umas coisitas mais.
A saber:




Esta Moschino  que tenho usado sem interrupção ...

... porque a cor combina com tudo, porque é espaçosa, porque é leve, mas, principalmente porque é linda até  mais não!

Veio de Andorra onde a colecção  era uma perdição, onde tive vontade de pecar e comprar mais que uma, mas onde me controlei.
Ficou o pretexto para voltar!


Para os meus pezinhos difíceis que exigem conforto, descobri  ...



Estes botins!

Alegres, modernos e, principalmente, muito confortáveis.

Agora que temos muito frio e nenhuma chuva é a altura certa para os calçar - e brilhar!


Botins, mala, écharpe e o meu Prada de sempre tornam ameno este frio polar.

Portanto, se / quando virem na rua estes cintilantes botins, esta Moschino interessante, a écharpe oncinha ( como dizem os nossos amigos brasileiros) e a fragância a íris, não tem que enganar - sou eu!

Beijo
Nina

domingo, 15 de janeiro de 2017

GRANDS SITES DE FRANCE


Gosto pouco de aeroportos e ainda menos de aviões. Por isso privilegio o automóvel desde que o tempo disponível o permita e as distâncias a percorrer sejam desafios aceitáveis.
Nada como  o conceito de road trip!
É uma liberdade, um repouso sem igual!

Nos últimos dias de Dezembro, como já antes referi, foi de carro, por essas estradas fora que me desloquei e, percorrendo o sul de França, atingi Sanremo, em Itália.
Durante o percurso apenas delineado - nada de reservas fixas ... - as paragens foram surgindo ao sabor do impulso.

Foi assim que,chegados a Nîmes, permanecemos 2 dias, 1 na cidade e outro nos arredores, concretamente visitando a PONT DU GARD, uma construção romana verdadeiramente impressionante, como reza a Wikipedia:

"O aqueduto romano de Pont du Gard foi construído no século Ia.c. para fazer a passagem do aqueduto que levava a água para Nimes por cima do rio Gard. Esta ponte é composta por dois níveis.
O primeiro servia de estrada para pessoas e animais, e duas arcadas mais acima corria a água do aqueduto. A ponte tem 49 metros de altura e 275m de comprimento total, e encontra-se num impressionante estado de conservação."
Maiores detalhes podem ser consultados AQUI

Do local trouxe o registo fotográfico e um assombro imenso!


O aqueduto encontra-se protegido pelo limite de um parque vedado, custando a entrada 8,5€.

Nesse amplo espaço, encontra-se esta original série de esculturas, relativas à família.

A mãe, o filho, a flor ...

O casal e os filhos ...

Noutra perspetiva ...

...e ainda noutra!
Muito interessante!

Depois surge o aqueduto, impressionante na sua grandeza.


Eram 4 horas, mas o sol começa a esconder-se ...

À noite, o aqueduto é iluminado por potentes holofotes.

Nesta ângulo, a ligação das duas margens do rio Gard

Difícil eliminar imagens porque todas documentam a grandiosidade do monumento

O rio Gard

Outro ângulo ...

...e outro ...

...e ainda outro.

A Europa é rica em vestígios e monumentos deixados  durante a Romanização e vale mesmo a pena efectuar uma pesquisa prévia acerca do roteiro delineado, porque a oferta é realmente magnífica.
Tantas vezes já realizei o percurso pelo sul da França e, inacreditavelmente, nunca descobrira este espantoso e único testemunho.
Aconselho uma pesquisa pelos GRANDS SITES DE FRANCE!

Compensa!
A resposta será encher a alma de espanto.

Beijo
Nina



sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Lousã, Serra da Lousã!


Tivemos uma sexta-feira de sol que convidava a passear.
 Pensei, pensei e decidi inverter a minha tendência de sempre, aquela que me condiciona ao norte, ao meu amado norte e, por uma vez, escolhemos o sul ( o centro, para ser geograficamente rigorosa). Escolhemos Coimbra, por onde passo muitas vezes, mas onde não paro há muitos, muitos anos.

Consultando o Trip Advisor, escolhi um restaurante para almoçar, o primeiro numa lista dos 10 melhores - O Burgo!
Telefonei e reservei mesa. Pedi ainda indicações acerca do trajecto:
-Venha até à Lousã e depois siga as setas que indicam o castelo - informaram-me.

Lousã?
Nunca aí estive.
Fomos! 

Sempre por autoestrada, fazem-se os cerca de 30 Km de desvio , sem dificuldade.
Depois de entrar na vila - maior do que eu imaginava - chega-se ao castelo que espreita na floresta.
O lugar é lindo, de uma paz invulgar.

Estava muito frio no alto da serra ...

... mesmo para quem como eu estava bem equipada.

Demos uma volta em redor do castelo ...

... que, infelizmente, não permite o acesso ao seu interior.

O Burgo localiza-se ao fundo de uma rampa íngreme e, do castelo, adivinha-se a sua silhueta por entre as árvores.


É aquela casa branca!

Sendo a Serra da Lousã uma área protegida há que respeitar as regras.


Achei oportuno este conjunto de avisos.

Junto ao restaurante, um conjunto de piscinas naturais, muito frequentadas no Verão:



Hoje, praticamente despejada, era ainda assim uma moldura mais que perfeita para O Burgo


Exteriormente, este o aspeto ...

Lá dentro, uma sala rústica, com lareira acesa e uma parede envidraçada sobre a bela paisagem.
 
 A comidinha, excelente ...


Optámos por provar um pouquinho de cada prato, numa selecção a que chamam Rapsódia ...


E Rapsódia foi também a sobremesa.

A seguir impunha-se uma passeio, que foi lindo.
Eis as imagens:



O castelo lá no alto ...

.. e, ao longo de um passadiço, o curso de água que alimenta as piscinas ...


... com cascatas ...

... com pontes ...


... com a paz que torna este lugar verdadeiramente paradisíaco.

Considero que foi uma descoberta muito feliz!
É que, às vezes, as indicações do Trip Advisor são decepcionantes.
Não desta vez, repito.
O restaurante é excelente e quero repetir.

É claro que não deu tempo para visitar o centro da cidade de Coimbra.
Fica para uma próxima vez.

Beijo
Nina